RESENHA: LIGEIRAMENTE PERIGOSOS

07:49


Editora: Arqueiro
Autor: Mary Balogh
Série:Os Bedwyns , livro 6
Páginas: 319
Estrelas: ⭐⭐⭐⭐
GOODREADS | SKOOB | AMAZON

Aos 35 anos, Wulfric Bedwyn, o recluso e frio duque de Bewcastle, está ávido por encontrar uma nova amante. Quando chega a Londres, os boatos que correm são os de que ele é tão reservado que nem a maior beldade seria capaz de capturar sua atenção.

Durante o evento social mais badalado da temporada, uma dama desperta seu interesse: a única que não tinha essa intenção. Christine é impulsiva, independente e altiva – uma mulher totalmente inadequada para se tornar a companheira de um duque. Ao mesmo tempo, é linda e muito, muito atraente.

Mas ela rejeita os galanteios de todos os pretendentes, pois ainda sofre para superar as circunstâncias pavorosas da perda do marido. No entanto, quando o lobo solitário do clã Bedwyn jura seduzi-la, alguma coisa estranha e maravilhosa acontece. Enquanto a atração dela pelo sisudo duque começa a se revelar irresistível, Wulfric descobre que, ao contrário do que sempre pensou, pode ser capaz de deixar o coração ditar o rumo de sua vida.

Em Ligeiramente perigosos, o sexto e último livro da série Os Bedwyns, Mary Balogh conclui a saga desta encantadora família em uma trama repleta de cenas sensuais, tiradas espirituosas e personagens à frente de seu tempo. Ao unir um homem e uma mulher tão diferentes, ela mostra que o resultado só poderia ser um par perfeito.

Sabe aquele livro que tem tudo para ser o melhor livro da série, o personagem masculino já é conhecido, e você já é completamente apaixonada por ele? E a mocinha é bem próxima do que você imaginou para ele, mas mesmo assim algo da errado no livro? Bom foi assim que eu me senti em ‘Ligeiramente Perigosos’, algo deu errado.


Eu venho esperado pelo livro de Wulfric Bedwyn dês que o conheci em Ligeiramente Casados, e caramba esperava tanto desse livro talvez tenha sido o grande problema, pois ele não é decepcionante, de forma alguma, pois Wulfric é exatamente como ele se mostra nos outros livros e Mary Balogh não caiu no clichê do mocinho virar outra pessoa, completamente diferente por causa da amada. Não Wulfric continua sendo o mesmo, mas talvez tenha sido o mesmo de mais para um livro romântico, porque senti que em determinados momentos nem eu, como leitora em sua cabeça, conseguia chegar até seu coração.

Christine foi exatamente como eu pensava que ela deveria ser: o sol para uma montanha gelada que é esse duque; mas em vez de brilhar e aquecer, apenas ficou aquela coisa morna que você não sabe se vai esfriar ou esquentar. Então, por mais que ela, a protagonista, brilhasse o livro inteiro, por mais que eu  gostasse dela de várias formas senti que de algumas forma inesperada o casal não deu certo, mesmo parecendo dar.

Sei que posso estar parecendo confusa, mas para mim foi exatamente assim, o livro tinha tudo, o casal tinha mais ainda e a autora é uma das melhores para mim, mas em algum momento o livro se perdeu.


Wulfric só foi se permitir no final do livro, só foi cair de amores quando as páginas já estavam acabando. Mesmo suas declarações e algumas ações bem planejadas, a sua imagem de frio ainda ficou muito forte para mim e talvez essa tenha sido a intensão da autora, que como eu disse lá em cima, fugia do clichê. Contudo, comigo isso não funcionou.

A leitura foi boa, porém não foi nem de perto o que eu esperava para o final de uma série que eu tanto amo, me fazendo reforçar que o melhor livro é o Ligeiramente Escandaloso, mas não se enganem pensando que eu desisti da autora, nem de longe, continuarei lendo seus livros, mesmo ela tendo me decepcionado um tanto justamente no que eu mais esperava.

Comente aqui aqui aquele livros que não foi ruim, mas nem bom, ficou morno...


XOXO.


You Might Also Like

0 comentários