#quartanoOEE: AS PEÇAS INFERNAIS

10:37


O #quartanoOEE está finalmente de volta e nada melhor do que voltar falando sobre AS PEÇAS INFERNAIS <3 que é uma das minhas séries favoritas de todos os tempos. Então para reestrear essa seção aqui no blog, vou mudar as "regras": o invés de falar brevemente sobre o livro/série em questão, falaremos sobre 5 motivações para você ler (mas é claro que, se você acompanha meus vídeos de top 5 já sabe, pode rolar uma roubadinha).

Separei 5 tópicos para falar rapidinho sobre com vocês com a ajuda de uma amiga que terminou a trilogia a pouco tempo (beijos, Paula) e são os tópicos que fizerem esses livros entrarem na minha lista de favoritos, mesmo estando saturada de Shadowhunters na época que eu li (2013/2014). 


Não vou seguir um ordem especifica, até porque não tem. Vai ser mais a ordem que fui lembrando, então vamos lá. 

1. Os cenários:

A história se passa em Londres Vitoriana, em 1878. Cassandra Clare foi excepcional nas descrições dos ambientes e das roupas usadas naquela época. Eu conseguia visualizar com clareza os cenários enquanto li, principalmente o Instituto de Londres. 

2. As questões politicas: 

Em 'Os instrumentos mortais', vem um pouco sobre a politica Shadowhunters, mas nessa trilogia, é melhor abordado toda a politica imposta da Clave e conseguimos entender que quase nada mudou sobre isso atras dos anos. Além de ver também as questões politicas que rodam o Submundo. E todo o enredo que envolve a história é um político e foi super bem desenvolvido. 


3. Os elementos shadowhunters:

Muitas das explicações sobre o mundo shadowhunters em 'Os instrumentos mortais' é um pouco deixada no ar, mas em 'As peças infernais', descobrimos sobre a criação de diversos instrumentos usados na primeira série lançada e também é melhor explicado a questão das runas e a importância dos parabati

4. A história:

'As peças infernais' tem início, meio e fim. O desenvolvimento da história foi muito bem construído e é umas das maiores diferenças que senti ao comparara essa série ao 'Os instrumentos mortais'. Não houve enrolação com o tema principal da história e tudo aconteceu no seu tempo certo. Sobre o final da trilogia, eu prefiro não falar muito para não influenciar, mas eu fiquei satisfeita com ele. Me surpreendeu, contudo, ele poderia ter sido melhor desenvolvido com mais umas dez páginas. 

5. Os ancestrais:

Acho que essa é umas das partes favoritos de todos que já leram: vê os ancestrais do pessoal de 'Os instrumentos mortais'. É incrível vê como a autora conseguiu transmitir as características dos personagens pela árvore genecológica. Eu consigo vê o Will no Jace, o Gideon no Alec... E são características tão marcantes, que é impossível não notar. 


Bônus: Magnus Bane <3 

Magnus é a melhor pessoa da vida e claro que ela não podia faltar nessa trilogia. Ele tem um papel super importante com o decorrer da história. E eu espero que ele esteja presente em todos os livros da autora envolvendo esse mundo. 

Muitas pessoas não tem interesse em ler Os instrumentos mortais por diversos motivos, porém a leitura de As peças infernais é super válida. São apenas três livros, ou contrário de Os instrumentos mortais que são sexta. Para mim, ambos as séries são diferentes com suas similaridades mesmo sendo escritos pela mesma autora. Talvez seja porque a primeira série se originou de uma fanfic e a outra não que eu ache As peças infernais melhor. O que você acha sobre isso?

Já leu As peças infernais? É fã desse mundo Shadowhunters e da Cassandra Clare? Ficou interessando em ler essa trilogia? 

Beijão, 

You Might Also Like

0 comentários