[RESENHA] Sombra e Ossos, de Leigh Bardugo

18:00

Editora: Guteberg
Série: Grisha, livro 1
Paginas: 288
Estrelas: 4/5

Alina Starkov nunca esperou muito da vida. Órfã de guerra, ela tem uma única certeza: o apoio de seu melhor amigo, Maly, e sua inconveniente paixão por ele. Cartógrafa de seu regimento militar, em uma das expedições que precisa fazer à Dobra das Sombras – uma faixa anômala de escuridão repleta dos temíveis predadores volcras –, Alina vê Maly ser atacado pelos monstros e ficar brutalmente ferido. Seu instinto a leva a protegê-lo, quando inesperadamente ela vê revelado um poder latente que nunca suspeitou ter.

A partir disso, é arrancada de seu mundo conhecido e levada da corte real para ser treinada como um dos Grishas, a elite mágica liderada pelo misterioso Darkling. Com o extraordinário poder de Alina em seu arsenal, ele acredita que poderá finalmente destruir a Dobra das Sombras.

Agora, ela terá de dominar e aprimorar seu dom especial e de algum modo adaptar-se
à sua nova vida sem Maly. Mas nesse extravagante mundo nada é o que parece. As sombrias ameaças ao reino crescem cada vez mais, assim como a atração de Alina pelo Darkling, e ela acabará descobrindo um segredo que poderá dividir seu coração – e seu mundo – em dois. E isso pode determinar sua ruína ou seu triunfo.
 


A mitologia Grisha é um mundo completamente diferente e que me lembrou um pouco a Rússia, não pelo clima ou pelo mapa que é mostrado no início do livro, mas sim pelos nomes. E por ser uma mitologia muito detalhada e diferente, me deixou confusa no começo justamente por causa desses detalhes.


A história se passa em Ravka e é narrada por Alina Starkov, que parece ter por volta dos 18 anos no início - uma garota órfã que perdeu os pais na Guerra que já dura mais de 100 anos. Ela não tem família, só o Malyen Orestsev, seu melhor amigo com quem cresceu junto e por quem é apaixonada.

Ravka é um país governado por um rei e tem como segundo poder o Darkling, o Grisha mais poderoso. O país está dividido por causa da Dobra das Sombras criado por um antigo Darling e, dentro da Dobra, que também é chamada de Não Mar, existem monstros chamados de Volcras. Por causa desse          “experimento” Grisha, a Ravka Leste não tem acesso aos seus portos, e isso faz com que as pessoas se arrisquem nas travessias.
Os Grishas são uma espécie de bruxos, e cada um é categorizado de acordo com esse poder.


Os Corporalki vêm em segundo na hierarquia depois do Darkling, então vem os Etherelki e depois os Materialki. Os Materialki não são bem explicados nesse primeiro livro, mas espero que isso mude no próximo, já que a única amiga que a Alina faz no Pequeno Palácio (lugar onde os Grishas moram) é uma Materialki.

Sobre os personagens, o livro poderia ser um saco, mas os personagens salvariam tudo (o que não acontece). Eles são tão bem construídos pela autora na visão da Alina, que em uma página eu odiava alguém que na seguinte eu já estava adorando. Eu sentia a mesma confusão da protagonista em relação a tudo, e esse foi o auge o livro. Darking é o melhor exemplo disso: ele não aparece em todos os momentos, mas cada vez que aparecia, eu tinha uma reação diferente.

Eu não vi acontecer metade do que aconteceu. Tudo é um mistério, desde o fato de a Alina não ter descoberto ser uma Grisha quando fora testada aos 8 anos até o motivo do aparecimento da Dobra. O livro joga várias perguntas e mistérios para o leitor, mas responde todas conforme a história vai seguindo.

Sombra e Ossos não termina com um cliffhanger que te deixa morrendo pelo próximo, mas te deixa bem curioso. Mesmo assim acredito que o segundo vai terminar de um jeito que vai me deixar desnorteada até o seguinte, por isso estou dando uma enrolada para começar Sol e Tormenta.

Sol e Tormenta, o segundo volume, já foi lançado pela Gutenberg. Já o último volume da trilogia, Ruin and Rising, sem titulo em português ainda, deve ser lançado aqui no Brasil ainda no primeiro semestre de 2015.

E ai, se interessaram pela trilogia Grisha? Conta para gente :)

You Might Also Like

0 comentários